Make your own free website on Tripod.com

Regiao Norte

Formada pelos estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) classifica o país em cinco blocos territoriais buscando juntar traços físicos, humanos, econômicos e sociais comuns. Essa divisão facilita o agrupamento de dados estatísticos e ajuda no planejamento de políticas voltadas para áreas com necessidades semelhantes. A última mudança na área das regiões ocorre em 1988, quando o Tocantins é desmembrado de Goiás, estado do Centro-Oeste, e incorporado à Região Norte.
A maior parte da região apresenta clima equatorial e, no inverno, o oeste sofre a ação de frentes frias, que provocam quedas bruscas de temperatura. No norte do Pará e em Rondônia há clima tropical. A floresta Amazônica é a vegetação predominante. Dela se extraem látex, açaí, madeira e castanha, essenciais à economia regional. Além dos produtos vegetais, a região é rica em minérios. Lá estão a serra de Carajás (PA), a mais importante área de mineração do país, e a serra do Navio (AP), farta em manganês. A extração mineral é praticada muitas vezes sem os cuidados adequados, contribuindo para a destruição ambiental por meio do desflorestamento e da contaminação dos rios pelo mercúrio usado na mineração de ouro.
Apesar de a região ter a maior área do país, apresenta a menor densidade demográfica. Mesmo assim é a de maior crescimento populacional por causa da migração da Região Nordeste. Esse movimento existe desde o século passado, quando os nordestinos foram atraídos pelo ciclo da borracha. Parte dos habitantes é descendente desses migrantes. Possui também grande população indígena, cujas terras são com freqüência invadidas para extração de madeira e garimpo de ouro. A influência desses povos nativos está presente na culinária e no Bumba-Meu-Boi de Parintins (AM), que junto com o Círio de Nazaré, que acontece em Belém (PA), é a festa regional mais conhecida em toda a região.
Há falta de infra-estrutura energética – a única grande usina é a de Tucuruí, no rio Tocantins (PA) – e é comum o racionamento de energia elétrica. Outra grave deficiência é a de estradas. Apesar do grande movimento fluvial e de a maioria da população viver à beira-rio, ainda há produtos que dependem das rodovias e chegam ao mercado regional de forma inconstante e com preços elevados.